Dentro de todos nós existe um herói capaz de tudo

Você conhece a heroína (ou o herói) que vive em você?

A primeira vez que percebi minha heroína foi em 2003. Eu estava sentada na cama do meu quarto de solteira em Cascavel, oeste do Paraná, com a cabeça apoiada sobre as minhas mãos e chorando muito. Quando a dor pareceu mais aguda do que nunca, uma voz falou firme dentro de mim:

– CHEGA!

Levantei rapidamente, fui até o espelho e vi o rímel borrado escorrendo pelo meu rosto. Imediatamente, peguei um lenço e comecei a secar aquelas lágrimas. Decidi que o limite era ali. Parece cena clichê de filme dramático, eu sei. Mas o drama é da minha natureza. O que posso fazer?

 

Com os olhos vermelhos e ainda rasos d’água, eu dizia para mim mesma que aquele ciclo de dor estava acabado. Só de lembrar, sinto a força da minha heroína brotando dentro de mim agora mesmo. Ela me salvou.

Encontrei com ela algumas outras vezes na vida. Até aprender que poderia convoca-la para minhas batalhas sempre que os ferimentos estivessem sangrando demais. Em 2018, num quartinho de chão bruto em Trancoso, ela veio em meu socorro novamente e passamos um bom tempo juntas.

Eu nem sempre reconheci sua presença durante todos aqueles meses em que ninguém mais, além de mim, era responsável pela minha segurança e sobrevicência. Sua força se misturou tanto com a minha, que eu me confundia com ela. No fundo sempre fomos a mesma pessoa.

Nesta manhã, juntei as mãos no peito antes da meditação e silenciei meu coração para apresentar ao universo minhas intenções do dia. Quando alinhei a coluna e levantei o queixo, senti sua presença comigo novamente. A conexão foi imediata. “PNL”, pensei. Eu havia acabado de disparar uma âncora positiva e entendi isso como um pedido da minha heroína.

– Eu posso te ajudar com isso também.

Foi um pequeno momento Eureka. Eu posso chamar pela minha heroína a qualquer comento e em qualquer situação. Não só quando uma espada atravessar minha alma.

Não há com o que me preocupar mais. Essa procrastinação não é nada perto dos caminhos de tristeza e medo por onde eu já andei.

Vencer a mim mesma é meu maior desafio atual. Eu sei que muitas de vocês que me acompanham também conhecem essa movediça de culpa e dor onde passamos dias, às vezes semanas e até meses, patinando em vão. Acredite, sua heroína (ou seu herói), é capaz de te tirar daí.

Eu te proponho um exercício que pode te ajudar muito.

Feche os olhos, respire fundo e convide-a a se aproximar. Se conseguir, relembre algum momento que que você superou uma grande dificuldade e se coloque ali, vencendo cada obstáculo daquele trajeto rumo ao triúnfo. Sinta sua heroína se fundindo ao seu corpo. Note como ela muda sua postura corporal. Respire da mesma confiança que ela. Perceba todas as suas células experimentando essa capacidade que ela tem.

Agora abra os olhos e faça o que tem que ser feito!

Deixe uma Resposta