Perdoe-se. Sua mente está fazendo o melhor que pode

Eu quero te contar uma coisa. Sua mente é um supercomputador planejado para te proteger.

Você já percebeu como seus braços se movem automaticamente quando você sofre uma queda? Quando você estiver vendo um jogo de futebol, repare na queda de algum jogador. Quando ele cai para frente, as mãos vão ao chão antes do resto do corpo. Se a queda é de lado, ele provavelmente coloca o braço como apoio.

Observe também com você mesmo. Quando algo é arremessado em nossa direção inesperadamente, as mãos rapidamente se colocam sobre o rosto ou a cabeça.

Todos esses movimentos são ações comandadas pela nossa mente inconsciente para proteger o cérebro, o principal orgão vital do corpo humano. Se o cérebro parar, tudo para. Então a cabeça é o primeiro lugar a ser protegido pelo corpo em uma situação de perigo.

Você provavelmente já ouviu falar que nós usamos conscientemente algo em torno de 10% da nossa mente. Os outros 90% estão guardados no baú infinito do inconsciente. É a mente inconsciente quem comanda as batidas do coração, a respiração, o nosso caminhar e todas as funções como digestão, visão e audição.

Ninguém precisa lembrar de respirar ou avisar o próprio coração que está na hora de bombear mais sangue. Nosso corpo, que parece estar no automático, funciona perfeitamente bem todos os dias graças à nossa mente inconsciente que trabalha sem parar. Para quê? Para nos manter vivos.

O mesmo acontece com os nossos comportamentos e com as escolhas que fazemos ao longo da vida. Muitas vezes a gente se pega procurando algo que explique o motivo de alguma atitude que julgamos errada e a resposta pode estar no nosso inconsciente. É lá que estão registradas também as emoções, que são os gatilhos que nos levam a agir.

Da mesma forma que nosso cérebro está sempre tentando nos proteger nas quedas físicas, ele também está sempre tentando nos proteger das dores emocionais. Isso explica o porquê de agirmos sempre da mesma forma diante de alguns desafios da vida ou nos nossos relacionamentos.

O problema é que os comportamentos que serviram para nos proteger de alguma situação de dor lá na nossa infância, muitas vezes não são mais adequados para a vida adulta. Só que a mente aprendeu daquele jeito. Nosso supercomputador registrou aquela informação e insiste nesses comportamentos sempre que a mesma emoção dispara o gatilho.

Quando alguma situação causa um impacto emocional em nós, nosso cérebro busca rapidamente o melhor registro para lidar com aquela emoção. E então temos um comportamento inadequado, não fazemos a melhor escolha, ou ainda tomamos decisões que trazem resultados indesejados.

Por isso o autoconhecimento é tão importante. Conhecer as próprias emoções e observar os próprios comportamentos diante delas é o melhor caminho para tomar decisões mais inteligentes.

Leia também: Como o amor próprio me libertou da dor

Não importa o que você fez no passado. Os resultados de ontem não podem ser mudados. Lá atrás você não tinha a mesma consciência que você tem hoje. Você não sabia de coisas que você sabe agora. Você fez o melhor que podia com o conhecimento que tinha. Não tem chance de isso estar errado. Seu cérebro estava tentando te proteger de alguma forma e inconscientemente você agiu da melhor maneira que conseguiu.

Perdoe-se.

Olhe para esse passado apenas para avaliar o que te levou a agir assim. Tire as lições que podem te ajudar a mudar esse comportamento e coloque em prática. No final, agradeça por ter feito o melhor que poderia fazer e porque hoje você tem a chance de ser melhor do que ontem.

Essa pequena descoberta fez uma grande diferença na minha vida. Quando eu consegui olhar com mais compaixão para mim mesma e aceitar que estou sempre fazendo o melhor que posso, eu consegui olhar com mais compaixão para as pessoas que já me magoaram e perdoa-las.

Cada ser humano deste planeta está sempre fazendo o melhor que pode. Você está fazendo o melhor que pode e quem te ofendeu também está.

Vou compartilhar aqui uma frase que eu ouvi durante um treinamento em Programação Neurolinguística (PNL) e que pode ajudar a compreender tudo isso: por trás de todo comportamento, existe uma intenção positiva.

Sim. Mesmo os comportamentos destrutivos. Na mente inconsciente dessa pessoa tem uma intenção positiva.

Por exemplo, quando uma pessoa é agressiva, a intenção positiva desse comportamento pode ser a proteção. Como um cão amedrontado, essa pessoa recorre ao ataque para se proteger de algo inconsciente. Para algumas pessoas, o medo pode ser a emoção que dispara o gatilho da agressividade.

Fique mais atento às suas emoções e se essa reflexão fez sentido pra você, conta pra mim lá no instagram (@viajabruk).

PS: A foto desse post foi feita pela minha amiga Patrícia Schussel (@patchinpixels) nos geysers no Deserto do Atacama, Chile.

Deixe uma Resposta