Sem roteiro pela Itália e as lições que o bolso me deu

Depois de Milão, Lago de Garda e Veneza, meu Roteiro pela Itália seguiu apenas até Roma, com duas paradas em Florença e Pisa. Na realidade meu caminho foi uma corrida contra mim mesma. Mas eu só percebi isso meses depois.

Hoje eu poderia passar três meses só passeando pela Itália, mas em agosto de 2018, as férias de verão europeias traziam preços que me deixaram angustiada demais para aproveitar com mais tranquilidade.

Eu ainda não queria fazer work exchange e também decidi não fazer Couchsurfing na Itália. O assédio dos homens que usam o aplicativo me assustou um pouco.

Leia também:

Decidi encurtar minha permanência no país e fazer tudo por hostel, o que aumentou consideravelmente o meu gasto diário, me fazendo apertar ainda mais os cintos na hora das refeições.

Em Pisa e Florença eu não entrei em nenhuma atração paga, pois sabia que Roma e o Vaticano iriam exigir alguns bons euros para as visitas ao Coliseu, à Basílica de São Pedro e a outras atrações imperdíveis que todo viajante deseja conhecer quando se fala na Itália.

O mais importante da minha passagem pela Itália foi colocar minha energia para encontrar soluções para a minha falta de planejamento antes de começar uma viagem de volta ao mundo.

Eu não comprei dólar nem euro antes de sair do Brasil e viajei apenas com o cartão de crédito internacional. Cilada, Bino! Depois de dois meses na Europa eu já sabia que um cartão pré pago era a melhor opção para quem vai passar meses na estrada.

Que interessante, não é? Quando decidi viajar eu achava que as curas que eu encontraria seriam apenas sentimentais. Mas eu também precisava aprender a lidar com minhas finanças. E a Itália me deu lições importantes. Depois disso passei por Zurique, a cidade mais cara das 65 que que visitei, sem me abalar com nada.

Em todos os dias passando por essas três cidades italianas, tem um momento especial que ressignificou tudo o que vivi no país.

Quando comecei a subir as escadas do Coliseu eu parei por alguns instantes e minha mão direita tocou aquelas enormes paredes geladas com mais de 3 milhões de anos. Eu respirei fundo e repeti a preparação feita na Fontana di Trevi: “eu vou ver esta arena histórica pessoalmente pela primeira vez”. Eu queria guardar a emoção daqueles momentos para sempre e coloquei toda a minha atenção no presente. Subi mais alguns degraus e chorei. Vi e senti com todas as minhas células mais um sonho sendo realizado.

Eu poderia lamentar que meu roteiro pela Itália tenha sido tão curto, mas eu agradeço profundamente. Prometi voltar com a minha mãe para os lugares onde nossos antepassados deram origem ao nome da nossa família.

Tenho certeza que, assim como no Coliseu e na Fontana Di Trevi, vai ser especial ver os outros lugares pela primeira vez ao lado dela.

Quando saí de Roma eu mandei uma mensagem: “mãe, pode começar a agradecer, porque nossa vigem juntas vai ser para a Itália”.

Aguardem pois será em breve!

  • Quer saber mais sobre a meus sentimentos nesse roteiro pela Itália?

A visita à Torre de Pisa me deu um insight para uma postagem muito inspiradora no Instagram. Clica aqui e descubra qual é o defeito te torna especial.

Já Florença me ensinou sobre agradecer sempre. Nesse post aqui eu explico como uma grande dificuldade virou a minha maior benção.

Eu também contei um pouco mais sobre Roma no meu Instagram em dois momentos diferentes. Quando narrei meus sentimentos durante um fim de tarde na Piaza Navona em tempo real e sobre a minha despedida dessa cidade tão especial.

Deixe uma Resposta